quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Fernando Magro
Fim da Comissão - O Regresso


A nossa vida continuou sem grandes percalços naquelas paragens africanas.
A Lena era professora na Escola Preparatória, dava explicações em casa e convivia muito com as esposas dos militares que estavam em Bissau, particularmente com a esposa do meu Comandante Tenente-Coronel Lopes da Conceição, com a Maria da Graça Areosa, mulher do major Leal de Almeida, dos Comandos Africanos e com a Etelvina Moritz, esposa do Engenheiro Lourenço Pinto.
Eu também tinha os meus dias muito ocupados.
A minha actividade não estava, no entanto, somente circunscrita à cidade de Bissau.
Tinha, por vezes, de me deslocar ao interior do território para resolver localmente problemas que surgiam durante as obras dos reordenamentos populacionais.
Dessas deslocações ao interior, a de que me recordo como a mais desconfortável, foi quando uma vez desci de um helicóptero, sozinho, em pleno mato. Era aguardado por milícias guineenses (não havia tropa portuguesa na região).
Parte dos elementos da milícia ficou de guarda ao helicóptero e a outra parte em fila indiana (bicha de pirilau, como se dizia entre os militares) encaminhou-me, mato dentro, para o sítio dos trabalhos do reordenamento local.
Para minha defesa pessoal estava armado com uma pistola Parabelum. Também me estava distribuída uma metralhadora FBP.
No início, nas minhas primeiras saídas para o mato, levava comigo a metralhadora mas, mais tarde, mais confiante, passei somente a colocar à cintura a pistola Parabelum.
Aos domingos, na época seca, dava com a família um pequeno passeio de carro até ao Cumeré, Nhacra ou João Landim.
Mas a maioria das vezes dirigíamo-nos ao quartel da Companhia de Caçadores 2572, em Nhacra, que era comandado por um amigo meu e que distava menos de vinte quilómetros de Bissau. Nesta companhia havia vários pequenos macacos com que brincávamos. Durante a viagem passávamos por enormes montículos com mais de metro e meio de altura feitos por formigas (baga-baga).
Na época das chuvas, os passeios eram menos frequentes uma vez que o tempo não permitia grandes viagens fora da cidade.
Era mesmo arriscado, em certas alturas, circular na estrada pois por vezes o vento soprava com uma força incrível dando origem a autênticos tornados.
Esses tornados surgiam inesperadamente, sem que os europeus os adivinhassem, o que não acontecia com os guinéus. Muitas vezes parecendo estar calma a atmosfera surporeendia-me a ver correr os naturais da Guinmé para as suas palhotas, procurando abrigo. Passados poucos minutos desabava uma chuvada acompanhada de grande ventania. Pelo bulir das folhas das árvores ou por outros sinais a população indígena conseguia prever o temporal que se avizinhava, o que não acontecia com a população branca.
Esses tornados eram perigosos, principalmente para as pequenas aeronaves. Durante a minha estadia na Guiné deu-se um grande incidente que vitimou quatro deputados portugueses, de visita ao território, quando o helicóptero em que viajavam se despenhou no Rio Mansoa.
Quando terminava a época das chuvas, pelo mês de Maio, apareciam as pragas.
Lembro-me de uma dessas pragas, a dos grilos. Bissau foi literalmente inundada de grilos.
Os automóveis a circular nas ruas faziam um som característico quando os seus pneus passavam por cima deles.
. Os varredores camarários juntavam os cadáveres dos grilos em montes na margem das ruas para depois serem transportados para os aterros.
Em Abril de 1972 a minha comissão militar estava no fim.
Devido ao meu filho ser estudante do 1º ano do Ciclo Preparatório e eu e a Lena sermos professores, pedi que o fim da minha comissão coincidisse com o final do ano escolar.
Em Maio começamos a preparar-nos para regressar a casa.
Despedi-me da Tecnil e, tendo em vista a compensação de possíveis falhas na minha assiduidade, não aceitei o recebimento do último mês de trabalho.
Despedi-me do Moba - o meu impedido - a quem ofereci alguma roupa e utensílios de casa que desistimos de trazer.
Vendi o carro.
E em princípios de Junho começámos a preparar os caixotes de madeira onde haviam de ser transportados por barco os objectos que adquirimos na Guiné e que decidimos trazer connosco.
Desses objectos fazia parte uma bicicleta inglesa, que oferecemos ao nosso filho Fernando Manuel aquando da sua aprovação nos exames da 4ª classe e de admissão ao Liceu.
Foi desmantelada e metida num caixote que, depois, se extraviou.
Já no Continente tive de me deslocar duas vezes ao RALIS, em Lisboa, onde eram depositadas as bagagens dos militares regressados à Metrópole, sem que o referido caixote aparecesse.
Até que, por sugestão de um sargento, passámos em revista a arrecadação onde se encontravam os haveres dos militares que haviam falecido na Guiné e, para meu espanto, vim a encontrar lá o caixote que andava desaparecido.
Em meados de Junho despedi-me do Director e dos Professores da Escola Industrial e Comercial de Bissau e tive, no Batalhão de Engenharia, a minha festa de despedida.
Visitamos as pessoas das nossas relações e preparámo-nos para regressar a casa.
Em trinta de Junho de 1972 subimos para o avião militar e iniciamos a viagem de regresso com escala na Ilha do Sal, Cabo Verde.
Quando chegámos ao Aeroporto de Figo Maduro e o avião aterrou, o nosso filho Fernando Manuel deu um grande suspiro de alívio.
A aventura da Guiné tinha acabado.
Estavamos todos juntos e de boa saúde.
Nas nossas vidas a passagem pela Guiné era um episódio encerrado.
Para trás tinham ficado dois anos de algum sofrimento e angústia que nos era ocasionada pela ausência da família e dos amigos, pela insegurança em que vivíamos o dia a dia, devido à guerra, e pelo clima que era desgastante para os europeus.
Mas, mal chegamos a Viseu, também não deixamos de recordar com saudade as amizades novas que fizemos na Guiné, os jantares festivos no Batalhão de Engenharia, as festas no clube de oficiais, os golfinhos que saltavam nas águas límpidas do arquipélago de Bijagós, as belíssimas acácias rubras que floriam em Bissau, as ostras e camarões da Guiné, o Scotch Wisky com água Perrier e pedacinhos de gelo que por lá consumíamos.
E sentia-me recompensado quando pensava que os dois anos que passei na Guiné não foram em vão, uma vez que pude colaborar como engenheiro técnico em algumas obras públicas e de construção civil em Bissau, além dos reordenamentos populacionais no interior do território.
Como professores, também a Lena e eu procuramos transmitir os nossos conhecimentos aos jovens daquelas paragens.
E a certeza de que essa actividade específica não tinha sido em vão, foi-me demonstrada, passados alguns anos, por um jovem guinéu numa feira de motonáutica e de equipamentos de campismo no pavilhão Rosa Mota (antigo Palácio de Cristal), no Porto, quando me surpreendeu de longe:
- Professor, Senhor Professor!
- É comigo? Está a chamar por mim?
- O Senhor foi meu professor em Bissau. Como estou contente por voltar a vê-lo! Nós em Bissau gostavamos muito do Professor e da sua família. Professor, deixe-me abraçá-lo.

Era o encontro com as memórias da Guiné que selei com um forte abraço ao jovem negro, meu ex-aluno em Bissau.






Sem comentários:

Enviar um comentário